Dia Mundial da Rádio

O Dia Mundial da Rádio celebra-se anualmente a 13 de fevereiro.

A data foi escolhida pois foi neste dia que a United Nations Radio emitiu pela primeira vez, em 1946, um programa em simultâneo para um grupo de seis países.

A data foi declarada em 2011 pela UNESCO e o primeiro Dia Mundial da Rádio foi celebrado em 2012.

Pode juntar-se à celebração do dia no site oficial da data.

A rádio continua a ser o meio de comunicação social que atinge as maiores audiências, continuando a adaptar-se às novas tecnologias e a novos equipamentos, com a transmissão online via streaming, por exemplo.

É um meio bastante útil para a população, seja como ferramenta de apoio ao debate e comunicação, de promoção cultural ou em casos de emergência social. Para os profissionais de comunicação social, a rádio é uma plataforma para se divulgarem factos e histórias.

A rádio acompanhou os principais acontecimentos históricos mundiais e hoje continua a ser um meio de comunicação fundamental. Este meio de comunicação social adaptou-se à era digital e continua a ser um meio fiável para a população, que recebe a informação na hora, sendo esta uma das características mais positivas da rádio.

A história da Rádio em Portugal

As primeiras experiências de radiodifusão, feitas por Marconi em 1894, abriram caminho para as inúmeras emissões Rádio dos nossos dias. Em Portugal no ano 1923 foi criada a Sociedade Portuguesa de Amadores de Telefonia sem Fio, precursora das rádios de hoje.

 

Em Portugal as experiências com este novo meio começaram nos anos 20 do século passado. Em 1935 nasceu a Emissora Nacional de Radiodifusão, atual Antena 1. Um ano mais tarde começam as emissões experimentais da Rádio Renascença.

Após a revolução de 25 de Abril de 1974, são nacionalizadas todas as rádios em Portugal, com excepção da Rádio Renascença.

Em 1976 a Emissora Nacional passa a chamar-se Rádio Difusão Portuguesa (RDP). Desde então muitas outras rádios foram criadas em Portugal, e passaram também a ocupar um lugar importante nas emissões pela internet.

Fica a saber a história da rádio em Portugal num minuto.

Conteúdo relacionado:

A Rádio na Escola

A rádio foi para a música o que o jornalismo foi para a literatura. Da mesma maneira que não há Cervantes que resista entre duas colunas de uma gazeta, não há Beethoven que se aguente entre dois fados da Mouraria. (Torga, Miguel)

O Clube Rádio Escola D. Maria II surge para promover e fortalecer valores como a tolerância, o respeito pelas diferentes opiniões, estimular a curiosidade e a imaginação num plano estético e crítico, fortalecer a relação entre a comunidade educativa, melhorar as destrezas tecnológicas e linguísticas.

Anúncios

Aceitas um encontro às cegas com um livro?

“Uma biblioteca deve, por isso, oferecer coisas a propósito e coisas a despropósito. Por isso, a Biblioteca é também um lugar de encontro. Nas bibliotecas que visitei vi que esses edifícios, um pouco por toda a parte, eram locais perfeitos para encontros longe do ruído do mundo”

Francisco José Viegas in: “A casa dos livros”

Este suposto “blind date” com um livro é muito simples. O leitor nunca tem acesso ao nome do autor, nem ao título, design da capa ou mesmo à sinopse, apenas tem conhecimento de algumas palavras, através de um papel, que poderão dar algumas pistas sobre o livro aos mais atentos. Para além disto, cada livro tem um bilhete pendurado que diz “blind date with a book”. A ideia original passa por dar menos trabalho aos indecisos e suscitar o interesse dos mais aventureiros.

http://p3.publico.pt/cultura/livros/19500/aceitas-um-encontro-cegas-com-um-livro

 

Plasticologia Marinha nas Bibliotecas D. Maria II!

O Oceanário de Lisboa pretende contribuir para elevar a literacia dos oceanos, em Portugal, promovendo o conhecimento dos oceanos e a vontade de contribuir para a sua conservação, tendo como base os valores da sustentabilidade e da necessidade de proteger a biodiversidade marinha. Desta forma, o Oceanário de Lisboa esteve representado no agrupamento de escola D. Maria II pela formadora Daniela Teixeira com a ação Plasticologia Marinha.

Apesar do plástico ter uma variedade enorme de utilizações, de ser um material útil, duradouro e versátil e que contribui em muitos domínios para o bem-estar humano, é urgente alertar que o seu uso de forma descontrolada tem impacto negativo no planeta e no Homem.

Esta ação envolveu os professores de uma forma ativa na formação de jovens conscientes e responsáveis, tornando-os agentes de mudança. Constituiu também uma mais-valia para os alunos, enquadrando o tema e sensibilizando para a necessidade urgente de redesenharmos a nossa relação com o plástico, agindo de forma a garantir um futuro sustentável e em equilíbrio com a natureza, através da alteração de comportamentos.

Daniela Teixeira

Outra voz…;)

“Aos oceanos chegam todos os anos cerca de 8 milhões de toneladas de plástico, com um impacto enorme nas espécies e ecossistemas marinhos.”

Todos sabemos que o plástico tem uma variedade enorme de utilizações, para além de ser um material útil, duradouro e versátil e que contribui em muitos domínios para o bem-estar humano. No entanto, é urgente alertar que o seu uso de forma descontrolada tem impacto negativo no planeta e no Homem. Por isso, é importante sensibilizar o público sobre a problemática do plástico nos oceanos e fornecer-lhes ferramentas para conseguirem minimizar o seu impacto a este nível, através da alteração de comportamentos.

O Oceanário de Lisboa pretende contribuir para elevar a literacia dos oceanos, em Portugal, promovendo o conhecimento dos oceanos e a vontade de contribuir para a sua conservação, tendo como base os valores da sustentabilidade e da necessidade de proteger a biodiversidade marinha.

Assim, o Oceanário de Lisboa desenvolveu sessões de educação ambiental nas escolas, dirigidas a jovens do 1º e 2º ciclos do Ensino Básico. Os formadores Daniela e Justin estiveram já nas escolas de Vale do Este, Requião, Nine e Louro, seguindo-se a escola sede D. Maria II.

Os alunos visualizam e ouvem a teoria, com exemplos, que está na base da poluição dos oceanos. Depois, reúnem em grupo e identificam uma série de poluentes, entre outras atividades interativas magníficas. Pretende-se assim, modificar comportamentos, de modo a que sejam benéficos ao ambiente!

As apresentações foram, de facto, uma mais-valia para o conhecimento e discernimento na identificação de tudo aquilo que prejudica os nossos oceanos. Embora tenha havido algumas surpresas, os nossos alunos foram muito assertivos nas respostas e na participação em geral. Estamos confiantes de estarmos perante uma geração pró-ativa no que ao ambiente diz respeito!

(Artigo em construção)

Alunos de Espanhol recebem prémios dos concursos realizados no 1.º período

O grupo disciplinar de espanhol, em articulação com a biblioteca escolar, entregou os prémios aos alunos que participaram nos concursos “La mejor bandera de los países hispanohablantes” e no Quiz interativo Kahoot “Día de la hispanidad” (criados para assinalar esta efeméride, recordando a descoberta da América que se materializou na união de dois mundos distintos que partilham, até hoje, a cultura hispânica e a língua espanhola) e no concurso “Una selfie con una obra de arte “ (no qual foram escolhidas as melhores selfies dos alunos com reproduções de obras do Museu Nacional do Prado que estiveram expostas nas bibliotecas do AE D. Maria II).
A cerimónia de entrega dos prémios decorreu na festa de Natal, contando com a presença da diretora deste agrupamento e da professora de Espanhol, que enfatizou a importância destas iniciativas na promoção do interesse pela aprendizagem da Língua Espanhola e pela cultura que esta veicula.

Parabéns Professora Lurdes Martins!

Uma referência de boas práticas de articulação!

O nosso muito obrigada!

“Una selfie con una obra de arte”

Já se conhecem os vencedores do concurso “Una selfie con una obra de arte” (no qual foram escolhidas as melhores selfies dos alunos com reproduções de obras do Museu Nacional do Prado que estiveram expostas nas bibliotecas do AE D. Maria II no passado mês de novembro). 

Livros… mesmo debaixo do teu nariz!

O nosso Livro

Deixa-me dizer-te, meu caro, pode bem acontecer que vás através da vida sem saber que debaixo do teu nariz existe um livro no qual a tua vida é descrita em todo o detalhe. Aquilo do qual nunca te deste conta antes, vais relembrando aos poucos, assim que comeces a ler esse livro, e encontras e descobres… alguns livros tu lês e lês e não lhe consegues encontrar qualquer sentido ou lógica, por mais que tentes. São tão “espertos” que não consegues perceber uma palavra daquilo que dizem… Mas esse livro que talvez esteja logo debaixo do teu nariz, tu lês e sentes-te como se tivesses sido tu próprio a escrevê-lo, tal como – como é que hei-de dizer ? – tal como tivesses tomado posse do teu próprio coração – qualquer que este possa ser – e o tivesse virado do avesso de forma que as pessoas o consigam ver, e descrito com todos os detalhes – tal e qual como ele é! 
E como isto é simples, meu Deus! Porquê, eu próprio poderia ter escrito este livro! Porquê, de facto, porquê é que eu próprio não escrevi este livro!

Fiodor Dostoievski, in “Pobre Gente” 


A prenda certa para o teu Natal!
Leva os teus Pais ou familiares às nossas Feiras do Livro! 
Estaremos nas BIBLIOTECAS ;) EB1 de Nine, EB1 de Requião, 
EB2,3 de Vale do Este e na EB2,3 D. Maria II!
 

A Vida de um Livro

Acredito que a vida de um livro enquanto está nas mãos do autor não é mais importante do que quando está nas mãos do leitor. O leitor é quase sempre um autor ele próprio. É ele que dá significado às palavras e por isso até acho muito interessante quando as pessoas me vêm apontar coisas que não eram minha intenção, mas que de facto estão lá. E há muitas outras coisas que foram minhas intenções e que nunca ninguém me referiu, e no entanto também lá estão. Se calhar alguém reparou nelas ou ainda vai reparar. Tudo o que um leitor leia num livro é legítimo porque nessa fase o leitor é tudo, é ele que faz o livro. 

José Luís Peixoto, in ‘Diário de Notícias (2003)

AE D. MARIA II promoveu exposição de reproduções de obras do Museu Nacional do Prado

O Agrupamento de Escolas D. Maria II teve patente a exposição de reproduções de obras do Museu Nacional do Prado, o maior e mais importante museu da Espanha, que abriga um acervo com mais de 17 mil obras de arte, entre pinturas, esculturas, desenhos, arte decorativa e documentos históricos.

A exposição, gentilmente cedida pela Consejería de Educación de la Embajada de España, encontrou-se gratuitamente aberta a toda a comunidade educativa, de 23 a 30 de novembro, nas bibliotecas das Escolas de Vale do Este e D. Maria II.

Os visitantes tiveram a oportunidade de apreciar diversas reproduções de obras imortais de pintores emblemáticos como: Diego Velázquez, Francisco de Goya, Sandro Botticelli, El Greco, Tiziano, Peter Paul Rubens, Bartolomé Esteban Murillo, José de Madrazo y Agudo, Eduardo Rosales, Joaquín Sorolla, Albrecht Dürer e Fra Angelico.

Esta iniciativa resultou de uma parceria estabelecida entre o grupo de Espanhol, contando com a colaboração do Departamento de Línguas, com as bibliotecas escolares, onde os alunos puderam tranquilamente apreciar as obras expostas e assistir a vídeos de curta duração alusivos ao museu, aos pintores e às obras de arte.

Mais informação disponível em: http://es.calameo.com/read/000656028929b54e77212

http://www.famalicaoeducativo.pt/_obras_do_museu_do_prado_na_escola_de_vale_do_este