Para sustos a dobrar…

IMG_9481

 

O MEDO

As pessoas têm medo de coisas diferentes, este espantalho pode parecer não causar muito medo, talvez nenhum, mas todos nós somos diferentes e temos medo de coisas tão estúpidas e que não tem mal nenhum, mas é assim.

Se repararmos bem não há quem tenha medo do “Pai Natal’’ e de palhaços.

A verdade é que são pessoas disfarçadas que não fazem mal.

Agora pensemos bem!

Será que este espantalho mete medo a alguém?

Cá eu acho que mete medo a algumas crianças e aos pássaros.

E tu que achas?

O espantalho é assustador ou não?

Será que ser assustador implica ser feio?

 

                                                                                Sofia R.  Nº18         9ºC

Retratos de Walloween 2014
FANTÁSTICO!!!

Halloween teve origem há 2 mil anos na Irlanda e Ilhas Britânicas

Halloween, o Dia das Bruxas, teve origem no período celta, há 2 mil anos. Na Alemanha, a partir de 1990, o costume também passou a ser comemorado na última noite de outubro, chegado dos EUA e por pressão do comércio.

Costume passou a ser difundido nos anos 90 na Alemanha

A partir de meados de 1990, a comemoração do Halloween, na última noite de outubro, também chegou à Alemanha. Figuras loucamente maquiadas, máscaras amedrontadoras, abóboras ocas e iluminadas fazendo caretas macabras. E não são, em absoluto, somente os jovens que no dia 31 de outubro, véspera do Dia de Todos os Santos, aparecem fantasiados de bruxas, vampiros e demônios, em festas caseiras apavorantes ou em bares e hotéis decorados especialmente para a ocasião.

Na Alemanha, até o início dos anos 90, o espetáculo foi festejado somente de forma isolada: em pubs irlandeses ou pelos soldados norte-americanos que estavam estacionados no país. No entanto, o Halloween, ou Dia das Bruxas, não é uma invenção norte-americana.

“All-Hallows-Eve”

A origem do Halloween, na Irlanda e nas Ilhas Britânicas, remonta há mais de 2 mil anos. Na noite de 31 de outubro, os celtas comemoravam uma de suas maiores festas, o Samhain. Ao mesmo tempo, o dia 31 de outubro era o último dia do ano velho. Os celtas acreditavam que, nesse dia, o mundo dos vivos se encontrava com o mundo dos mortos.

Sacerdotes celtas tentavam expulsar os demônios com uma grande fogueira. Para se proteger contra poderes malignos, os celtas usavam máscaras amedrontadoras.

No século 8°, o papa Gregório 4° transferiu para o 1° de novembro o Dia de Todos os Santos, destinado a homenagear os mortos, a fim de cristianizar a festa celta de Samhain. Apesar disso, o “All-Hallows-Eve” – ou “véspera do Dia de Todos os Santos” – continuou sendo celebrado durante séculos na Irlanda católica.

Jack da Lanterna

Jack da Lanterna também perambula pela Alemanha

Hoje, o símbolo mais destacado do Halloween é a abóbora oca, talhada em forma de careta e iluminada de dentro. Ela remete à lenda irlandesa do ferreiro Jack O’Lantern (Jack da Lanterna), um beberrão que ludibriou o Diabo duas vezes, escapando do Inferno através de uma artimanha. Contudo, como não acreditava em Deus, tampouco pôde entrar no Céu. Em vez disso, o diabo lhe entregou um pedaço de brasa que ele escondeu em um nabo. Desde então, o ferreiro erra pelo mundo como um fogo-fátuo sem descanso.

Imigrantes irlandeses trouxeram a festa do Halloween para os Estados Unidos no século 19. Lá, eles substituíram o nabo como material da lanterna pela abóbora que, por ser maior, era mais apropriada.

Horror lucrativo

Nos EUA, o culto aos fantasmas e à abóbora tornou-se um grande negócio. Ele chegou à Alemanha através da indústria de brinquedos, para a qual o Carnaval é um de seus períodos de maior lucro, além do Natal. A partir de meados da década de 1990, à busca de novas fontes de faturamento, o setor descobriu o Halloween, e forçou a introdução do costume celta-irlandês-norte-americano no mercado alemão.

Desde então, esse carnaval macabro proporciona lucros milionários, ano após ano, com a venda de maquiagem, perucas, fantasias, abóboras, festas organizadas, decoração, música e bebidas. O comércio de doces e guloseimas também lucra com o costume recentemente introduzido. Segundo dados do próprio setor, depois do Natal e da Páscoa, o Halloween é o terceiro principal evento do ano.

Autor: Mechthild Brockamp (ca)
Revisão: Augusto Valente